mamas caídas

Mamas caídas: por que acontece e como tratar

A ptose mamária, ou mamas caídas como é popularmente conhecida, é um problema bastante comum entre as mulheres e uma das principais queixas nos consultórios de Cirurgia Plástica.

Sabemos que a mama tem um determinado volume, sendo recoberta por uma pele adequada a ela. Quando a mama aumenta muito, a pele precisa se adaptar ao novo formato para garantir a sua sustentação. Porém, quando há redução da mama, que também causa diminuição do volume, a pele não consegue voltar ao seu estágio normal, ocasionando a flacidez e as mamas caídas.

A ptose mamária pode ser classificada em três graus:

  • Grau I: aréola na altura do sulco mamário e acima do contorno da glândula;
  • Grau II: aréola abaixo do sulco mamário e acima do contorno da glândula;
  • Grau III: aréola abaixo do sulco mamário e do contorno da glândula.

Causas das mamas caídas

As mamas caídas não acometem apenas mulheres mais velhas. Jovens e até adolescentes podem apresentar flacidez excessivas devido a vários fatores. As principais causas da ptose mamária são: ganho ou perda excessiva de peso, mamas muito grandes, amamentação, hereditariedade, efeito de implantes mamários, deformidades de desenvolvimento e envelhecimento.

O estilo de vida também pode influenciar, como alimentação irregular, alcoolismo, sedentarismo e tabagismo.

Diagnóstico e tratamento

Antes de pensar em uma cirurgia plástica, é preciso conhecer detalhes sobre o formato das mamas e também o desejo da paciente. Em uma consulta, o médico poderá avaliar se a queda da mama vai além do sulco mamário, se há perda de volume na parte de cima da mama (polo superior mamário) e se há deslocamento para baixo da aréola. Cada caso demandará um tipo de tratamento específico.

O tratamento mais comum para as mamas caídas é a mastopexia ou lifting mamário, que tem como objetivo reverter o caimento natural dos seios. Durante o procedimento, o cirurgião fará o reposicionando da aréola e da pele com flacidez, elevando as mamas e melhorando a simetria.

No caso de seios muito grandes, o recomendado é uma mamoplastia redutora, que visa reduzir o tamanho das mamas, retirando o excesso de pele e corrigindo a forma, deixando-as proporcionais e livres de flacidez.

A cirurgia pode ser associada ao uso de implantes, ou não, e vai depender das características individuais de cada paciente. O procedimento pode ser feito a partir dos 18 anos e, a princípio, não tem contraindicação. A cirurgia geralmente não afeta a função de amamentação, no entanto, se você estiver pretendendo engravidar converse com o seu cirurgião plástico, pois as mudanças que ocorrem durante a gravidez podem modificar os resultados da cirurgia. Da mesma forma, planos de perda de peso também devem ser discutidos.

A recuperação após a mastopexia é rápida, mas com leve desconforto e sensação de peso ou alteração na sensibilidade dos seios, devido à anestesia. O resultado final pode ser visto dentro de 6 meses, mas a mulher pode voltar ao trabalho dentro de aproximadamente 15 dias após a cirurgia. Após 40 da cirurgia pode-se voltar a dirigir e a fazer exercícios físicos leves, como caminhada, por exemplo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgiã plástica em Belo Horizonte!

 

Dra. Patrícia Lana

Postado por Dra. Patrícia Lana